ACIDENTES QUE EXIGEM PRIMEIROS SOCORROS

Tem aumentado de uma maneira absurda a quantidade de acidentes no mar, em muitos casos com mortes, provocados por atos irresponsáveis de pessoas na condução de seus barcos. Muitos consomem álcool em excesso, abusam da velocidade, trafegam com capacidade de passageiros acima da permitida e não tem experiência na condução noturna de barcos, quando a pouca visibilidade por si só já é um fator de risco. Alguns nem sequer utilizam as luzes de navegação ou possuem o auxílio de luzes estrobo. Se você pretender beber, não conduza seu barco, transfira esta responsabilidade para outra pessoa devidamente habilitada que não irá consumir álcool. Vamos alertar a todos que sejam mais prudentes e respeitem o próximo.

Você sabe o que fazer em caso de acidente com pessoas a bordo?

Lembre-se que você é o "medico de bordo" (não substitui um profissional) e terá que fazer os primeiros socorros ate chegar em terra firme e tenha sempre a mãos sua "farmácia de bordo". Em caso de queda tente imobilizar a pessoa, não mexa com a pessoa, pois pode ter afetado a coluna, siga para o Iate Clube ou Marina já estando acionada uma emergência medica (ambulância).

A importância dos primeiros socorros a bordo

A grande maioria de acidentes a bordo poderia ser evitado, porém, quando eles ocorrem, alguns conhecimentos simples podem diminuir o sofrimento, evitar complicações futuras e até mesmo salvar vidas.
O fundamental é saber que, em situações de emergência, deve se manter a calma e ter em mente que a prestação de primeiros socorros não exclui a importância de um médico. Além disso, certifique-se de que há condições seguras o bastante para a prestação do socorro sem riscos para você. Não se esqueça que um atendimento de emergência mal feito pode comprometer ainda mais a saúde da vítima.

O artigo 135 do Código Penal Brasileiro é bem claro: deixar de prestar socorro
à vítima de acidentes ou pessoas em perigo eminente, podendo fazê-lo, é crime.

Conceitos preliminares

Deixar de prestar socorro significa não dar nenhuma assistência à vítima. A pessoa que chama por socorro especializado, por exemplo, já está prestando e providenciando socorro.
Qualquer pessoa que deixe de prestar ou providenciar socorro à vítima, podendo fazê-lo, estará cometendo o crime de omissão de socorro, mesmo que não seja a causadora do evento.
A omissão de socorro e a falta de atendimento de primeiros socorros eficiente são os principais motivos de mortes e danos irreversíveis nas vítimas de acidentes de barcos.
Os momentos após um acidente, principalmente as duas primeiras horas são os mais importantes para se garantir a recuperação ou a sobrevivência das pessoas feridas.
Todos os seres humanos são possuidores de um forte espírito de solidariedade e é este sentimento que nos impulsiona para tentar ajudar as pessoas em dificuldades. Nestes trágicos momentos, após os acidentes, muitas vezes entre a vida e a morte, as vítimas são totalmente dependentes do auxílio de terceiros.
Acontece que somente o espírito de solidariedade não basta. Para que possamos prestar um socorro de emergência correto e eficiente, precisamos dominar as técnicas de primeiros socorros.
Algumas pessoas pensam que na hora de emergência não terão coragem ou habilidade suficiente, mas isso não deve ser motivo para deixar de aprender as técnicas, porque nunca sabemos quando teremos que utilizá-las.

O que são primeiros socorros?

Como o próprio nome sugere, são os procedimentos de emergência que devem ser aplicados à uma pessoa em perigo de vida, visando manter os sinais vitais e evitando o agravamento, até que ela receba assistência definitiva.

Quando devemos prestar socorro a bordo?

Sempre que a vítima não esteja em condições de cuidar de si própria.

Quais são as primeiras atitudes?

          Geralmente os acidentes são formados de vários fatores e é comum quem os presencia, ou quem chega ao acidente logo que este aconteceu, deparar com cenas de sofrimento, nervosismo, pânico, pessoas inconscientes e outras situações que exigem providências imediatas.
Quando não estivermos sozinhos, devemos pedir e aceitar a colaboração de outras pessoas, sempre se deixando liderar pela pessoa que apresentar maior conhecimento e experiência.
Se essa pessoa de maior experiência e conhecimento for você, solicite a ajuda das demais pessoas, com calma e firmeza, demonstrando a cada uma o que deve ser feito, de forma rápida e precisa.

Apesar da gravidade da situação devemos agir com calma, evitando o pânico.
» Transmita confiança, tranqüilidade, alívio e segurança aos acidentados que estiverem conscientes, informando que o auxílio já está a caminho.
» Aja rapidamente, porém dentro dos seus limites.
» Use os conhecimentos básicos de primeiros socorros.
» Às vezes, é preciso saber improvisar.

Salvar uma vida

Os Primeiros Socorros protegem a vítima contra maiores danos, até a chegada de um profissional de saúde especializado. Como?

Mantendo a respiração
Mantendo a circulação
Cessando hemorragias
Impedindo o agravamento da lesão
Prevenindo o estado de choque
Protegendo as áreas queimadas
Mantendo as áreas com suspeitas de fratura ou luxação protegidas e imobilizadas
Transportando cuidadosamente

E mais:

Inspire Confiança

Ao abordar a vítima, fale sempre com segurança, observando seu estado de consciência. E não faça nada mais do que o rigorosamente o essencial para controlar a situação até a chegada do socorro qualificado.

Se a vítima estiver consciente, perguntar seguidamente: NOME, DIA, ENDEREÇO, etc.
Caso comece a trocar idéias ou não se lembrar, observar e removê-la o mais rápido possível para socorro especializado.
Caso a vítima tenha sede, não oferecer líquidos para beber, apenas molhar a boca com gaze úmida.

NUNCA DÊ BEBIDA ALCOÓLICA.

Veja o que fazer num quadro envolvendo CHOQUE ELÉTRICO

O que acontece

O choque elétrico, geralmente causado por altas descargas, é sempre grave, podendo causar distúrbios na circulação sanguínea e, em casos extremos, levar à parada cárdio-respiratória.  Na pele, podem aparecer duas pequenas áreas de queimaduras (geralmente de 3º grau) - a de entrada e de saída da corrente elétrica.

  Primeiras providências

Desligue o aparelho da tomada ou a chave geral do barco.  Se tiver que usar as mãos para remover uma pessoa, envolva-as em algo isolante, como uma capa de chuva, por exemplo.   Empurre a vítima para longe da fonte de eletricidade com um objeto seco, não-condutor de corrente, como um remo de madeira ou de plástico, corda seca, cadeira de plástico ou outro objeto de borracha.

O que fazer    

Se houver parada cárdio-respiratória, aplique a ressuscitação.  Cubra as queimaduras com uma gaze ou com um pano bem limpo. Se a pessoa estiver consciente, deite-a de costas, com as pernas elevadas. Se estiver inconsciente, deite-a de lado.  Se necessário, cubra a pessoa com um cobertor e mantenha-a calma.  Procure ajuda médica imediata.

A ressuscitação cárdio-pulmonar

Com a pessoa no chão, coloque uma mão sobre a outra e localize a extremidade inferior do osso vertical que está no centro do peito (o chamado osso esterno) Ao mesmo tempo, uma outra pessoa deve aplicar respiração boca-a-boca, firmando a cabeça da pessoa e fechando as narinas com o indicador e o polegar, mantendo o queixo levantado para esticar o pescoço.  Enquanto o ajudante enche os pulmões, soprando adequadamente para insuflá-los, pressione o peito a intervalos curtos de tempo, até que o coração volte a bater.  Esta seqüência deve ser feita da seguinte forma: se você estiver sozinho, faça dois sopros para cada quinze pressões no coração; se houver alguém ajudando-o, faça um sopro para cada cinco pressões.

Desmaio - Queimaduras

O desmaio pode ser considerado uma forma leve do "estado de choque", provocado em geral por emoções súbitas, fadiga, fome e nervosismo.
A vítima empalidece, cobre-se de suor, o pulso e a respiração são geralmente fracos.

Deite a pessoa de costas com a cabeça baixa, elevando as pernas em ângulo de 30 graus Desaperte-lhe a roupa, aplique panos frios no rosto e na testa. Se o desmaio durar mais de um ou dois minutos, agasalhe o paciente e procure atendimento medico.

CASO ESPECIAL

Sentindo que vai desfalecer ao ver uma hemorragia ou ferimento, baixe imediatamente a cabeça ou então sente-se em uma cadeira e curve-se para frente com a cabeça entre as pernas, mais baixa que os joelhos, e respire profundamente.

O que fazer no caso de Queimaduras

Queimadura é uma lesão decorrente da ação do calor, frio, produtos químicos, corrente elétrica, emanações radioativas e substâncias biológicas (como água vivas).

Exemplos:

Contato direto com chama, brasa ou fogo. Contato com gelo ou superfícies congeladas; Vapores quentes, Líquidos, ferventes; Sólidos superaquecidos ou incandescentes; Substâncias químicas (ácidos, soda cáustica, fenol, nafta etc).  Emanações radioativas Radiações infravermelhas e ultravioleta ( devido ao excesso de raios solares); Eletricidade; Contato com animais e plantas. Ex: animais: larvas, medusa, água-viva e alguns sapos; plantas etc...

Queimaduras Externas classificam-se em:

SUPERFICIAIS: quando atingem algumas camadas da pele.

PROFUNDAS: quando há destruição total da pele.

CLASSIFICAÇÃO EM GRAUS:

PRIMEIRO GRAU: lesão das camadas superficiais da pele Vermelhidão, Dor local suportável; Não há formação de bolhas EX: aquelas causadas pelos raios solares.

SEGUNDO GRAU: lesão das camadas mais profundas da pele; Formação de bolhas e flictenas (bolhas maiores) Desprendimento de camadas da pele; Dor e ardência locais de intensidade variável.

TERCEIRO GRAU: lesão de todas as camadas da pele Comprometimento de tecidos, mais profundos até o osso.

QUEIMADURAS DE 1, 2, 3 GRAUS PODEM-SE APRESENTAR NO MESMO PACIENTE

O risco de vida é maior nos grandes queimados:
Criança com mais de 10% de área corporal queimada

Adulto com mais de 15% de área corporal queimada

Tem-se uma idéia aproximada da superfície queimada usando a "regra dos nove":

Cabeça - 9% da superfície do corpo
Pescoço - 1%
Membro superior esquerdo - 9%
Membro superior direito - 9%
Tórax e abdome (frente) - 18%
Tórax e região lombar (costas) - 18%
Membro inferior esquerdo - 18%
Membro inferior direito - 18%
(a área dos órgãos genitais - 1% - está incluída na do tórax e abdome)

PRINCIPAIS MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS

1 - PREVENIR O ESTADO DE CHOQUE
2 - CONTROLAR A DOR
3 - EVITAR A CONTAMINAÇÃO

Estado de Choque

Em todos os casos de lesões graves, grandes hemorragias, internas ou externas, podem surgir o estado de choque.

OUTRAS CONDIÇÕES CAUSADORAS DO ESTADO DE CHOQUE:

Queimaduras graves, ferimentos graves ou extensos

Esmagamentos

Perda de sangue

Acidentes por choque elétrico

Envenenamento por produtos químicos

Ataque cardíaco

Exposição a extremos de calor ou frio

Dor aguda

Uma infecção

Intoxicação por alimentos

Fraturas

SINAIS DO ESTADO DE CHOQUE

Pele: fria e pegajosa

Suor: na testa e nas palmas das mãos

Face: pálida, com expressão de ansiedade

Frio: a vítima queixa-se de sensação de frio, chegando às vezes a ter tremores

Náuseas e vômitos

Respiração: curta, rápida e irregular

Sede, agitação e confusão mental

Visão: nublada

Pulso: fraco e rápido

Poderá estar total ou parcialmente inconsciente

Diante deste quadro, enquanto espera a chegada de recurso médico - ou providencia o transporte da vítima - tome as seguintes medidas:

Realize uma rápida inspeção na vítima

Combata, evite ou contorne a causa do choque, de possível (p ex: controle da hemorragia)

Conserve a vítima deitada com as pernas elevadas em ângulo de 30 graus caso não haja fratura

Afrouxe a roupa apertada do pescoço, no peito e na cintura.

Retire da boca, caso exista, dentadura, goma de mascar, etc.

Mantenha a respiração.

Mantenha a cabeça virada para o lado.

Se for possível, mantenha a cabeça mais baixa que o tronco.

Mantenha a vítima agasalhada, utilizando cobertores, mantas etc...

NÃO DÊ:

- BEBIDAS ALCOÓLICAS EM NENHUMA HIPÓTESE.
- LÍQUIDOS A UMA PESSOA INCONSCIENTE OU SEMI-INCONSCIENTE
- LÍQUIDOS, CASO SUSPEITE DE LESÃO ABDOMINAL.

Ferimentos na Cabeça - Bandagem - Contusões

FERIMENTOS NA CABEÇA

Os ferimentos na cabeça requerem sempre pronta atenção de um profissional de saúde.

Mas se não houver um por perto faça o seguinte:

      Em caso de inconsciência ou de inquietação, deite a vítima de costas e afrouxe suas roupas, principalmente em volta do pescoço. Agasalhe a vítima.

      Havendo hemorragia em ferimento no couro cabeludo, coloque uma compressa ou um pano limpo sobre o ferimento. Pressione levemente. Prenda com ataduras ou esparadrapo.

      Se o sangramento for no nariz, na boca ou num ouvido, vire a cabeça da vítima para o lado que está sangrando.

      Se escoar pelo ouvido um líquido límpido, incolor, deixe sair naturalmente, virando a cabeça de lado.

BANDAGEM

Com o objetivo de manter um curativo, uma imobilização de fratura ou conter provisoriamente uma parte do corpo, empregam-se ataduras. Na falta de ataduras, use tiras limpas de um lençol, de uma saia, um lenço, um guardanapo ou uma toalha. Na aplicação de uma bandagem tome os seguintes cuidados:

A região deve estar limpa

Os músculos relaxados

Enfaixe no sentido da extremidade para o centro, Ex: nos membros superiores, no sentido da mão para o braço.

Não imprima uma pressão excessiva ao enfaixar. A circulação deve ser mantida

Deixe sempre as extremidades (dedos) livres, para observar arroxeamento e frio na pele local

CONTUSÕES

Quando o local da contusão fica arroxeado, é sinal de que houve hemorragia ou derrame por baixo da pele. O acidentado sente dor e o local fica inchado. Primeiras providências a tomar:

Repouso da parte contundida, elevando-a se for nos membros.

Aplique compressas frias ou saco de gelo até que a dor e a inchação tenham diminuído

Após 24 Hs, podem ser usadas compressas de água quente, para apressar a cura.

SE A CONTUSÃO FOR GRAVE - CONSULTE UM PROFISSIONAL DE SAÚDE, PODE TER HAVIDO FRATURA.

Em caso de contusões no tórax ou abdome, suspeitar de possível hemorragia interna.

Fratura

É a quebra de um osso causada por uma pancada muito forte, uma queda ou esmagamento.
Há dois tipos de fraturas: as fechadas, que, apesar do choque, deixam a pele intacta, e as expostas, quando o osso fere e atravessa a pele. As fraturas expostas exigem cuidados especiais, portanto, cubra o local com um pano limpo ou gaze e procure socorro imediato.

Fratura fechada - sinais indicadores

Dor ou grande sensibilidade em um osso ou articulação.
Incapacidade de movimentar a parte afetada, além do adormecimento ou formigamento da região.
Inchaço e pele arroxeada, acompanhada de uma deformação aparente do membro machucado.

O que não fazer

Não movimente a vítima até imobilizar o local atingido.

Não dê qualquer alimento ao ferido, nem mesmo água.

O que fazer
Solicite assistência médica, enquanto isso, mantenha a pessoa calma e aquecida.
Verifique se o ferimento não interrompeu a circulação sanguínea.
Imobilize o osso ou articulação atingido com uma tala.
Mantenha o local afetado em nível mais elevado que o resto do corpo e aplique compressas de gelo para diminuir o inchaço, a   dor e a progressão do hematoma.

Luxação

É o deslocamento de um ou mais ossos para fora da sua posição normal na articulação. Os primeiros socorros são também semelhantes aos da fratura fechada. Lembre-se de que não se deve fazer massagens na região, nem tentar recolocar o osso no lugar.

Contusão

É uma área afetada por uma pancada ou queda sem ferimento externo. Pode apresentar sinais semelhantes aos da fratura fechada. Se o local estiver arroxeado, é sinal de que houve hemorragia sob a pele (hematoma).

Improvise uma tala

Amarre delicadamente o membro machucado (braços ou pernas) a uma superfície, como uma tábua, revista dobrada, vassoura ou outro objeto qualquer.
Use tiras de pano, ataduras ou cintos, sem apertar muito para não dificultar a circulação sanguínea.

Improvise uma tipóia

Utilize um pedaço grande de tecido com as pontas presas ao redor do pescoço. Isto serve para sustentar um braço em casos de fratura de punho, antebraço, cotovelo, costelas ou clavícula.
Só use a tipóia se o braço ferido puder ser flexionado sem dor ou se já estiver dobrado.

As hemorragias

O controle da hemorragia deve ser feito imediatamente, pois uma hemorragia abundante e não controlada pode causar morte em 3 a 5 minutos.
A hemorragia externa é a perda de sangue ao rompimento de um vaso sanguíneo (veia ou artéria). Quando uma artéria é atingida, o perigo é maior. Nesse caso, o sangue é vermelho vivo e sai em jatos rápidos e fortes.
Quando as veias são atingidas, o sangue é vermelho escuro, e sai de forma lenta e contínua.
A hemorragia interna é o resultado de um ferimento profundo com lesão de órgãos internos.

Sangramentos externos - o que fazer

Procure manter o local que sangra em plano mais elevado que o coração.
Pressione firmemente o local por cerca de 10 minutos, comprimindo com um pano limpo dobrado ou com uma das mãos. Se o corte for extenso, aproxime as bordas abertas com os dedos e mantenha unidas. Ainda, caso o sangramento não cesse, pressione com mais firmeza por mais 10 minutos.
Quando parar de sangrar, cubra o ferimento com uma gaze e prenda-a com uma atadura firme, mas que permita a circulação do sangue. Se o sangramento persistir através do curativo, ponha novas ataduras, sem retirar as anteriores, evitando a remoção de eventuais coágulos.

Observação: Quando houver sangramentos intensos nos membros e a compressão não for suficiente para estancá-los, comprima a artéria ou a veia responsável pelo sangramento contra o osso, impedindo a passagem de sangue para a região afetada.

O que não deve fazer

Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos;
Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto.

Sangramentos internos - como verificar o que fazer

Acidentes graves, sobretudo com a presença de fraturas podem causar sangramentos internos.
A hemorragia interna pode levar rapidamente ao estado de choque e, por isso, a situação deve ser acompanhada e controlada com muita atenção para os sinais externos: pulso fraco e acelerado, pele fria e pálida, mucosas dos olhos e da boca brancas, mãos e dedos arroxeados pela diminuição da irrigação sanguínea, sede, tontura e inconsciência.
Não dê alimentos à vítima e nem aqueça demais com cobertores.
Peça auxílio médico imediato.

Sangramentos nasais - o que fazer

Incline a cabeça da pessoa para frente, sentada, evitando que o sangue vá para a garganta e seja engolido, provocando náuseas.
Comprima a narina que sangra e aplique compressas frias no local.
Depois de alguns minutos, afrouxe a pressão vagarosamente e não assoe o nariz.
Se a hemorragia persistir, volte a comprimir a narina e procure socorro médico.

Os acidentes mais comuns em barcos

Podem derivar de contatos com, objetos quentes como motores; água fervente ou vapor, com substâncias químicas, irradiações solar ou com choque elétrico e fogo em ultimo caso.

O que acontece

As queimaduras leves (de 1º grau) se manifestam com vermelhidão, inchaço e dor. Nas queimaduras de 2º grau a dor é mais intensa e normalmente aparecem bolhas ou umidade na região afetada. Já nas queimaduras graves de 3º grau a pele se apresenta esbranquiçada ou carbonizada e há pouca ou nenhuma dor.

O que não fazer

Não toque a área afetada.
Nunca fure as bolhas.
Não tente retirar pedaços de roupa grudados na pele. Se necessário, recorte em volta da roupa.      
Não use manteiga, pomada, creme dental ou qualquer outro produto doméstico sobre a queimadura.
Não cubra a queimadura com algodão.
Não use gelo ou água gelada para resfriar a região.

O que fazer

Se a queimadura for de pouca extensão, resfrie o local com água fria imediatamente.
Seque o local delicadamente com um pano limpo ou chumaços de gaze.
Cubra o ferimento com compressas de gaze.
Em queimaduras de 2º grau, aplique água fria e cubra a área afetada com compressas de gaze embebida em vaselina estéril.
Mantenha a região queimada mais elevada do que o resto do corpo, para diminuir o inchaço.
Dê bastante líquido para a pessoa ingerir e, se houver muita dor, um analgésico.
Se a queimadura for extensa ou de 3º grau, procure um médico imediatamente.

Queimaduras químicas - o que fazer

Como as queimaduras químicas são sempre graves, retire as roupas da vítima rapidamente, tendo o cuidado de não queimar as próprias mãos.
Lave o local com água corrente por 10 minutos (se forem os olhos, 15 minutos), enxugue delicadamente e cubra com um curativo limpo e seco.
Procure ajuda médica imediata.

Queimaduras solares - o que fazer

Refresque a pele com compressas frias.
Faça a pessoa ingerir bastante líquido, mantendo-a na sombra, em local fresco e ventilado.
Procure ajuda médica.

Transporte de Acidentados

A movimentação ou transporte de um acidentado ou doente devem ser feitos com cuidado a fim de não complicar as lesões existentes.

ANTES DE PROVIDENCIAR A REMOÇÃO DA VÍTIMA

Controle a hemorragia

Mantenha a respiração

Imobilize todos os pontos suspeitos de fraturas

Evite ou controle o estado de choque

A MACA É O MELHOR MEIO DE TRANSPORTE

Pode-se fazer uma boa maca adotando-se duas camisas ou um paletó em duas varas ou bastões resistentes ou enrolando um cobertor, dobrado em três, em volta de tubos de ferro ou bastões. Ou ainda, usando uma tábua larga.

Ao remover ou transportar a vítima, obedeça às seguintes orientações.

COMO LEVANTAR A VÍTIMA COM SEGURANÇA

Se o ferido tiver de ser levantado antes de um exame para verificação das lesões, cada parte de seu corpo deve ser apoiada. O corpo tem de ser mantido sempre em linha reta, não devendo ser curvado.

COMO PUXAR O FERIDO PARA LOCAL SEGURO

Puxe a vítima pela direção da cabeça ou pelos pés. NUNCA PELOS LADOS. Tenha o cuidado de certificar-se de que a cabeça está protegida.

COMO TRANSPORTAR A VÍTIMA

Ao remover um ferido para um local onde possa ser usada a maca, adote o método de uma, duas ou três pessoas para o transporte da vítima (conforme ilustração), dependendo do tipo e da gravidade da lesão, da ajuda disponível e do local (escadas, paredes, passagens estreitas, etc.)

Os métodos que empregam um ou dois socorristas são ideais para transportar uma pessoa que esteja inconsciente devido a afogamento ou asfixia. Todavia, não servem para carregar um ferido com suspeita de fraturas ou outras lesões graves. Em tais casos, use sempre o método de três socorristas.

EMPREGUE UM DOS MÉTODOS ABAIXO, CONFORME O CASO:

1. Transporte de apoio.
2. Transporte em "cadeirinha"
3. Transporte em cadeira
4. Transporte em braço
5. Transporte nas costas
6. Transporte pela extremidade
7. Transporte em tábua com imobilização do pescoço (suspeita de fratura de coluna)

O transporte de acidentados em barcos (ambulâncias ou carros) merece também cuidados.

Oriente o comandante ou marinheiro que esta pilotando o barco a evitar bater o barco contra as ondas se possível;

Oriente o motorista quanto a freadas bruscas e balanços contínuos, que poderão agravar o estado da vítima.

Lembre-se de que o excesso de velocidade, longe de apressar o salvamento do acidentado, poderá causar novas vítimas.

MANIPULAÇÕES ERRADAS NA COLUNA CERVICAL SÃO RESPONSÁVEIS POR INÚMERAS LESÕES DEFINITIVAS OU AGRAVAMENTO DAS CONDIÇÕES DA MEDULA ESPINHAL.

QUER SABER MAIS > CLIQUE AQUI !

se gostou desta pagina, mande-nos um e-mail-Click aqui

Página Principal

Clube de Pesca Cananéia
R. João Maciel - Porto Cubatão - Cananéia - SP - CEP 11990-000
Telefones: (0**13) 3851-6117 / 3851-6118 /  3851-6143